quinta-feira, 28 de agosto de 2008

A banda voltará ao estúdio no mês de outubro...

De acordo com o Boston Globe,a banda voltará ao estúdio em outubro e sairá em turnê no início do próximo ano.

No momento,Joey Kramer está em turnê com o músico de blues John Montgomery, com quem ele formou a KRAMER/MONTGOMERY band.

"O James está há tanto na estrada quanto nós e a gente sempre pensou em tocar juntos", disse Kramer ao Boston Globe.

"Ele tinha algumas datas marcadas e perguntou se eu aceitaria participar. Eu disse 'Claro'".

Os shows ocorrem dia 12 de setembro no Roxy e 13 de setembro na Academy of Music, em Northampton.

Tyler lança segunda autobiografia em 5 anos...

LOS ANGELES (Reuters)
- A vida do vocalista de Steven Tyler, é tão divertida que ele está escrevendo sua segunda autobiografia, de acordo com reportagens.

Ecco, uma marca da editora HarperCollins, venceu um leilão e vai pagar 2 milhões de dólares para publicar o livro de Tyler, 60, informou o New York Business em seu site, na terça-feira

Tyler e seus colegas já falaram sobre sua vida conturbada no livro "Walk This Way: The Autobiography of Aerosmith", lançado originalmente em 1997 e reeditado com mais informações em 2003, escrito em parceria com Stephen Davis, conhecido por lavar a roupa suja do Led Zeppelin em "Hammer of the Gods".

Um porta-voz da Ecco recusou-se a comentar e uma porta-voz do Aerosmith disse que não tinha informações sobre o negócio do livro. O Aerosmith ficou famoso nos anos 1970 com canções como "Walk This Way" e "Back in the Saddle". A banda ficou conhecida pelo estilo de vida festeiro e o uso de drogas. Tyler e Joe Perry inclusive receberam o apelido de "Gêmeos Tóxicos".

Mas o cantor virou um defensor da sobriedade nas últimas duas décadas, embora tenha admitido em maio que deu entrada em uma clínica de reabilitação, porque precisava "recuperar um ambiente seguro", depois de dolorosas cirurgias no pé.

'Guitar hero: Aerosmith' entrega jogo e documentário da banda...


Título marca nova estratégia da indústria ao apostar em um só artista.
Mesmo para não-fãs, game deve garantir pura diversão 'guitarrística'.


O sucesso estrondoso de games musicais como "Guitar hero" e "Rock band", em que o jogador "toca" as músicas com réplicas de instrumentos de plástico, vem se mostrando uma alternativa interessante para gravadoras e artistas reverterem as significativas perdas com a venda de CDs da última década. Juntas, em um ano, as duas franquias concorrentes foram responsáveis pela venda de 25 milhões de faixas em seus respectivos canais de download, de acordo com reportagem deste mês da revista "Blender".

Um passo ainda mais ambicioso para a simbiose entre artista e videogames foi dado agora com "Guitar hero: Aerosmith", que, em vez de uma seleção de diversos nomes do rock e do pop, foca essencialmente em uma única banda.

São ao todo 25 faixas do grupo - incluindo os bônus -, que cobrem diversas fases da carreira do Aerosmith: das mais antigonas "Sweet emotion" e "Toys in the attic" (1975) passando pela clássica parceira com o Run DMC em "Walk this way" (1986) às mais novas "Livin on the edge" (1993) e "Beyond beautiful" (2001), todas em suas gravações originais. "Mama kin", "Dream on", "Making it" e "Movin' out", do álbum de estréia da banda, de 1973, também aparecem em versões recriadas especialmente para o game. (Antes que algum roqueiro mais radical pergunte: não, baladas açucaradas como "Cryin", "Amazing", "Jaded" e "I don't want to miss a thing" não entraram no jogo!).

Além de músicas do Aerosmith, que representam três quartos do repertório total, há também faixas de bandas que o influenciaram como Kinks, The Clash e Mott the Hoople - uma das preferidas de David Bowie nos anos 60 - e outras com quem o grupo já dividiu o palco, como Cheap Trick, Ted Nungent e o já citado Run DMC. A proposta é que o jogador execute essas faixas como se fossem de bandas de abertura para, então, atendendo aos gritos do público, convocar os músicos do Aerosmith ao palco (o vocalista Steven Tyler, os guitarristas Joe Perry e Brad Whitford, o baixista Tom Hamilton e o baterista Joey Kramer ganharam seus próprios avatares no game).

A interface e o modo de jogo de "Guitar hero: Aerosmith" são praticamente idênticos às versões anteriores de "GH", com uma e outra, digamos, distração adicional - como a câmera de baixo para cima que permite espiar a calcinha das meninas das bandas de abertura.

Documentário interativo

A principal mudança fica por conta dos cenários, decorados com elementos das capas dos discos da banda e que reproduzem lugares que sediaram algumas das principais apresentações da carreira do Aerosmith. Começa pelo palco do Nipmuc Regional High School, colégio onde a banda fez seu primeiro show no início dos anos 70; segue para a Max's Kansas City, lendária casa noturna da cena punk de Nova York; retorna ao Orpheum Theatre, em Boston, cidade natal do grupo; para depois mergulhar nos chamados shows de arena, que incluem uma apresentação no intervalo do Super Bowl, outra em Moscou, onde a banda tocou para 60 mil pessoas em 2007, e finalmente o palco do Rock and Roll Hall of Fame, que imortalizou oficialmente o Aerosmith no panteão roqueiro americano em 2001.

A cada mudança de cenário, os integrantes da banda aparecem em vídeos dando depoimentos que ajudam a explicar sua trajetória ao longo das últimas três décadas. A novidade transforma "Guitar hero: Aerosmith" em um item ainda mais interessante para os fãs do grupo de Tyler, Perry e cia. Mais do que só um jogo e uma espécie de coletânea interativa de sucessos da banda, "GHA" funciona também como um documentário, um registro histórico lançado em um momento em que esses dinossauros do rock buscam uma renovação de público. Não é loucura imaginar que, como o Metallica, outros artistas venham a anunciar projetos semelhantes num futuro muito breve.

O aspecto possivelmente mais duvidoso do game está em saber qual será a reação dos não-fãs do grupo. É bem provável que pessoas que odeiem o Aerosmith passem longe deste lançamento, mas gostando ou não da banda, o formato de hard rock com um tempeiro blueseiro e a guitarra virtuosa de Joe Perry fazem do repertório de "GHA" um dos mais coerentes disponíveis até agora na franquia. Afinal, estamos falando aqui de "heróis da guitarra", e, que me perdoem os fãs, bandas como Ramones, Nirvana, Foo Fighters, Tenacious D, Strokes e Franz Ferdinand - todas presentes nas versões anteriores - estão longe de serem conhecidas pela habilidade de seus guitarristas.





quarta-feira, 27 de agosto de 2008

Integrantes comentam "Guitar Hero"...

De acordo com Laura Leebove, do site Billboard.com, os fãs na vida real do AEROSMITH gritaram tão alto quanto os fãs virtuais em um pequeno vídeo de demonstração do “Guitar Hero: Aerosmith” durante uma entrevista coletiva (no dia 27 de junho) realizada no Hard Rock Cafe de Nova York. Todos os cinco membros da banda estiveram no evento para responder perguntas sobre o jogo, o qual os fãs tiveram a oportunidade de testar antes de chegar às lojas (o que ocorreu 2 dias após a entrevista).


A idéia de “Guitar Hero: Aerosmith” é o jogador progredir através da carreira de 40 anos da banda. Os jogadores têm a oportunidade de tocar músicas dos primórdios do AEROSMITH, assim como músicas de artistas que tocaram com ou influenciaram a banda, como Joan Jett e Run DMC.


Entre as faixas do AEROSMITH usadas no jogo estão “Sweet Emotion”, “Living’ On The Edge”, “Walk This Way” e “Dream On”. O jogo será lançado para Wii, Xbox 360 e Playstation 2 e 3.


O vocalista Steven Tyler disse que o processo de animação da banda não foi fácil. Os criadores do jogo “me embrulharam em uma roupa de borracha, e eu gastei sete horas por dias por duas semanas indo lá com minhas mãos e fazendo essa coisa ser tudo o que o Aerosmith é,” ele explicou.
O baixista Tom Hamilton brincou que o jogo o lembrava da primeira vez que a banda foi retratada em animação, que foi em 'Os Simpsons'”.
Os jogadores começam como o guitarrista Joe Perry, mas completar diferentes níveis os permite jogar também como o guitarrista Brad Whitford e Hamilton.
A banda começa tocando em clubes e faz seu caminho até os shows em estádios.
“Jogar o jogo Guitar Hero me colocou em contato de novo com as antigas músicas,” disse o baterista Joey Kramer. “Eu recomecei a ouvir os antigos álbuns. Isso é realmente incrível. Me fez ficar realmente orgulhoso de todos nós porque eu não ouvia esses discos há muito tempo.”

Os jovens apreciam os clássicos

A revista "Sound & Vision" publicou uma entrevista com Joe Perry, em que ele fala sobre video games (como o seu próprio Guitar Hero: Aerosmith), as maravilhas do vinil, sistemas de som "surround", dentre outras coisas.

Abaixo, a parte da entrevista em que Joe fala sobre a paixão dos jovens pelos clássicos:

Me fale sobre “Guitar Hero: Aerosmith”. Deve ser uma honra ser a primeira banda a ter um jogo inteiro dedicado à sua carreira!

Perry:
"Quando vi meu filho Roman jogando Guitar Hero há poucos anos atrás, fiquei maravilhado. Eu observo muitas coisas de crianças e adolescentes, assim descubro o que está havendo atualmente que afeta a indústria do entretenimento. O que aprendi de mais importante é que os jovens hoje em dia realmente apreciam os clássicos".
"Quando o CREAM fez aqueles shows de reunião da banda em Nova Iorque em 2005, eu estava em Vermont. Meu filho Tony me perguntou, 'Pai, que horas nós vamos sair para o show do CREAM?' e eu disse, 'Ah, não sei se nós vamos.' Ele então respondeu, 'O que você quer dizer? Está brincando? Nós temos que ir! Eu nunca pude vê-los e eles estão fazendo história.' Ele tinha 20 anos na época. Isso me deixou pensando, 'Isso é importante. Ele está realmente entendendo, não somente como um músico, mas como um jovem apreciando este tipo de música e colocando uma grande importância na oportunidade de ver o Cream.' Foi aí que repensei e disse, 'É, acho que vamos.' Nós fomos ao show, e eles foram ótimos".